Diálogo De Um Casal Apaixonado: O Livro

Diálogo De Um Casal Apaixonado: O Livro

Numa manhã de sábado…

– Amor, acabou de chegar esse pacote no meu nome.

– Nossa! Chegou rápido!

– Você sabe do que se trata?

– Claro! Eu que comprei.

– Mas está no meu nome.

– Lógico, usei o seu cartão.

– E por que não me avisou?

– Porque era uma surpresa.

– Oba! Um presente! Posso abrir?

– Você promete não fazer escândalo?

– Por que eu faria? É um presente!

– Você promete?

– Sim, eu… Espera aí! Não é outro conjuntinho de rendinha, né?

– Algum problema?

– Considerando que compra coisas para me presentear e fica com todas pra você, não.

– Quem mandou você não usar?

– Nunca pensou em comprar algo que eu gostasse?

– Desculpa, mas não acho cuecas de times ou de desenhos infantis uma coisa sexy.

– Tá falando daquela samba canção do Bob Esponja?

– Sim, aquela coisa horrivelmente amarela que você quis comprar.

– E que você não deixou, né?

– Digamos que só manipulei você a não comprar.

– Você me ameaçou! Apelou como sempre pra me convencer.

– Ah, que mentira!

– Queria pra fazer um conjunto de pijama com a camiseta da seleção que ganhei naquela rifa.

– Você devia me agradecer pelo favor!

– A moça da loja achou minha ideia muito legal.

– Lógico! Ela não dorme com você.

– Afinal, o que tem nesse pacote?

– Pode abrir. Mas antes de tudo, saiba que estava procurando coisas na internet, quando…

– Um Kama-sutra para lésbicas?!

– Não é demais? Eles tem versão para gays também.

– Por quê?

– Porque os gays também…

– Não! Por que comprou?

– Curiosidade.

– Sei.

– Qual o problema, amor?

– Eu sabia que você gosta de variar, mas não a esse ponto.

– Já disse que comprei por curiosidade.

– E a garrafa de uísque que vem junto é o que? Brinde?

– Não sou eu quem faz as promoções do site.

– Você querer variar eu entendo, mas não precisa me embebedar!

– Já disse que era a promoção!

– Ah, claro!

– Escuta, por que ficou tão estressadinha?

– Não estou estressadinha.

– Parece aquela vez no supermercado com o chantily.

– Que eu fiz aquela vez?

– Ficou toda estressadinha também.

– Mas lembra o que você fez lá?

– Você disse que queria comer chantily e eu apenas dei opções.

– Não! Você ficou falando das experiências positivas e negativas com seus ex- namorados com a droga do chantily.

– Mas eu só queria repetir as positivas com você.

– Super excitante!

– Enfim, qual o problema com o livro?

– Nenhum!

– Então podemos usar qualquer dia desses?

– Não sei.

– Por quê?

– Sinceramente, um livro que é vendido com uma garrafa de uísque me assusta.

– Ah, que bobagem! Mas sem pressão, amor.

– Você promete que não vai apelar para me convencer?

– Claro!

Durante a noite…

– Não acredito que me convenceu! Olha essa posição!

– Que exagero! Parece confortável.

– Mas amor, a folha está de cabeça para baixo.

– Nossa! Pensando bem, não.

– Não disse?

– Se bem que essa outra aqui não é nada mal.

– Eu não vou ficar desse jeito!

– Qual é, amor? Não custa tentar.

– …

– O que está fazendo?

– Indo buscar aquele uísque.

Livros DH

Sobre o Autora

@LeticiaAFerrari

Posts Relacionados

10 Comentários

Deixe um Comentário